Página Inicial | Mapa da cidade | Telefones Úteis | Fale conosco | Webmail | Horoscopo e tarot | chat | Receber noticias
Notícias :
Previous Next
Associação atua há 15 anos e desenvolve projeto de capacitação fora do país
Seg, 11 de Fevereiro de 2013 18:20

Em 15 anos de atuação, a Associação de Mulheres Empreendedoras do Brasil (Amebras) chegou a ter várias parcerias do governo federal, mas nos dois últimos anos, todas as oficinas de capacitação gratuita de mão de obra têm sido financiadas com recursos próprios. A informação é da presidenta da associação, Célia Domingues

Há quatro anos, a associação levou o projeto de capacitação para a cidade argentina de San Luis, onde foi fundada a primeira escola de samba, a Sierras Del Carnaval. “É um curso de qualificação e desenvolvimento de figurinos para a escola que nós ajudamos a fundar”. A escola de samba de San Luis tem 750 componentes que participam das oficinas de decoração, figurino e adereço e confeccionam as fantasias para os integrantes.

A associação não qualifica somente mulheres, embora elas representem 75% dos alunos, que são jovens e adultos. Segundo Célia, as mulheres estão aproveitando mais essa oportunidade que o carnaval dá.

A remuneração de um profissional do carnaval depende da área em que ele atua. Célia considera importante a criação de um plano de cargos e salários para o setor. Para isso, as escolas precisam se organizar e começar a trabalhar mais cedo. As remunerações pagas variam de escola para escola. “Elas sabem quem são os profissionais de ponta, que se destacam, e brigam para pegar esses bons profissionais”, disse.

Segundo Célia, vence quem oferece o melhor salário, o que acaba inflacionando o mercado. Um aderecista que trabalha no carnaval pode começar ganhando R$ 1 mil e chegar a R$ 3 mil, “dependendo do que está fazendo, de qual é a sua responsabilidade”, explicou.

Para este ano, a previsão da Amebras é capacitar 600 pessoas em diversas áreas. A formação que será dada este ano visa ao carnaval de 2014. Dos 300 profissionais capacitados em 2012, a maioria está trabalhando nos barracões das escolas.

Agência Brasil