Página Inicial | Mapa da cidade | Telefones Úteis | Fale conosco | Webmail | Horoscopo e tarot | chat | Receber noticias
Notícias :
Previous Next
Praia Grande: Vacina contra meningite é exclusiva para menor de 2 anos

A preocupação em proteger os filhos contra a meningite vem levando muitos pais a procurar a vacina conhecida como Meningo C nos postos de saúde, que só disponibilizam doses para crianças menores de dois anos.

Praia Grande: Vacina contra meningite é exclusiva para menor de 2 anos

A condição é um critério do Ministério da Saúde, que abre exceção apenas para pessoas acima da faixa etária se forem portadores de doenças crônicas, como Aids, cardiopatia e outras. A Secretaria de Saúde Pública (Sesap) assegura que o quadro da doença na cidade é normal.

A justificativa para o fornecimento somente a crianças menores de dois anos é que esse grupo é o mais vulnerável à doença. Segundo a médica da Divisão de Vigilância Epidemiológica, Leila Prieto, o Ministério da Saúde fornece aos municípios somente a quantidade exata para a população de crianças desta faixa etária. “Se temos em nossa Cidade três mil crianças com idade até dois anos, por exemplo, receberemos vacina só para esse total”, esclareceu.

Conforme a médica, cuja especialidade é a Pediatria, existem três vacinas que protegem as crianças contra a meningite: a Tetravalente, indicada contra as bactérias que causam difteria, tétano, coqueluche e hemófilos (esta última causadora da meningite e outras infecções); a Meningo C, que protege contra a meningite meningocócica; a Pneumococo, que protege contra a pneumonia e a meningite, provocadas pela mesma bactéria.

De acordo com Leila Prieto, para as demais crianças, o risco de contrair a meningite é menor, embora as ocorrências não sejam descartadas para situações que favoreçam a contaminação. “Ter uma alimentação saudável e bons hábitos de higiene é fundamental para evitar a doença. Recomenda-se não permanecer em ambientes pouco arejados, principalmente em locais aglomerados”, alertou.

Nem todas as pessoas são suscetíveis à meningite, já que o organismo se defende com anticorpos que cria após contato com a bactéria. Outra informação importante é que a bactéria não sobrevive no meio ambiente, fora do ser humano. A principal forma de prevenção é a detecção e o tratamento precoce, evitando que a doença seja transmitida a outras pessoas.

Diagnóstico - A constatação da doença é feita em uma unidade de saúde, após a avaliação médica e análise preliminar de amostras clínicas do paciente. Com a confirmação, o doente é internado para tratamento com antibióticos específicos. Todas as pessoas do relacionamento direto e contínuo com a pessoa infectada devem receber os mesmos medicamentos, seja na escola ou no ambiente familiar.

Conforme a médica, a transmissão ocorre por via respiratória, por meio de gotículas e secreções do nariz e garganta. Para que ocorra o contágio, é preciso haver contato prolongado e convivência no mesmo ambiente, como o meio familiar, em escolas, creches, alojamentos etc. “O processo infeccioso se dá, principalmente, quando a bactéria ou vírus não é combatido pelo organismo, atingindo as meninges (membranas que protegem o encéfalo, a medula espinhal e partes do sistema nervoso central)”, destaca.

No início, a meningite pode não ser de fácil diagnóstico, já que os sintomas podem ser semelhantes aos da gripe. Porém, os sinais a serem observados são: febre; vômitos e recusa à alimentação; inquietação e choro; convulsões; rigidez de nuca; dificuldade em acordar e manchas vermelhas pelo corpo.

Leila Prieto enfatiza que a melhor forma de proteger os filhos é imunizá-los mantendo a caderneta de vacinação em dia, estar atento ao comportamento das crianças e observar todas as recomendações para evitar o contágio. “Aos primeiros sintomas de febre, por exemplo, não se pode deixar de levar a criança ao médico. É muito perigoso providenciar remédios caseiros ou adquiridos sem prescrição médica. Somente um especialista pode reconhecer um problema de saúde e adotar os procedimentos corretos”, ressaltou.

Desde janeiro, Praia Grande registra 10 casos de meningite, número que é considerado normal para o período, em relação aos anos anteriores.

Mais informações podem ser obtidas pelo telefone 3496-2433.

 

Secom Praia Grande